quarta-feira, 1 de julho de 2009

Chega férias, chega

Continuo por aqui estudando, correndo... Tenho até dia 05/07 para enviar meu pré projeto de monografia (mais uma, será que eu sobrevivo?) e estou de "férias" da pós graduação. Coloco férias entre aspas, pois não terei tarefas para postar, mas tenho que continuar com minhas leituras. Dia 1º de agosto voltamos com pique total para o segundo módulo do curso.
Sábado tivemos nosso último encontro presencial desse módulo.
Domingo tive uma indisposição, passei o dia na cama e a noite fui parar no pronto socorro com nauseas, dor de cabeça, febre e pressão baixa. Depois de um tempinho no soro e recebendo os medicamentos me senti melhor e voltei para a casa do meu amorzinho. Esse por sinal tem sido um ótimo namorado. :)
Voltei para casa ontem pela manhã e mesmo nao me sentindo muito bem e tendo um atestado médico em mãos, o senso de responsabilidade falou mais alto e eu fui trabalhar.
Ainda não me sinto perfeitamente bem, mas... Tenho minhas obrigações a fazer...
Trabalho até dia 17 e chega nosso merecido recesso...

3 comentários:

M. disse...

Eu concordo totalmente com vc que esse não é o melhor caminho. Mas o problema foi que meu irmão foi na escola praticamente um semestre inteiro sem que alguém fizesse algo.

Vc, como educadora, e eu, como Psicóloga (pq tb cursei psicologia. Inclusive, foi a minha primeira facul), podemos imaginar a consequência desses atos num futuro próximo, ou não.

Ninguém na escola fez absolutamente nada..até o garoto ter uma atitude chocante.

Agora nada passa despercbido. ;)


Anos atrás, houve um caso em Salvador, de um garoto que assassinou duas amigas da escola.

O garoto era um negro, bolsista que estudava em um colégio conceituado da cidade.

O garoto foi perseguido por essas duas meninas durante dois anos. Tds os episódios levados ao conhecimento da direção, coordenação, professora...e ninguém deu importância durante td esse tempo. O garoto, que já tinha alguns distúrbios, fato que foi comprovado posteriormente, cansou de tanta perseguição e matou as duas.

Um absurdo!

Mas esse absurdo poderia ser evitado se as pessoas responsáveis fizessem a coisa correta.

Eu não tenho dúvidas da tua competência como educadora, mas isso é vc. Nem tds são assim, com essa postura correta.

E aqui na Bahia...Deus me livre, mas os educadores inverteram os valores morais. Chega ao meu conhecimento cada caso cabeludo. rsrsr


Enfim, foi quase um livro. rsrs

Bjossssssssssss.

Jane disse...

Manu,
Não é só aí na Bahia que tem casos de arrepiar os cabelos não!
Bons e mals profissionais acho q temos em todas as áreas e em todos os lugares. E um mal professor pode causar estragos enormes e algumas vezes irreparaveis.
Lamentável....

Fernanda disse...

High five, amiga!