quarta-feira, 3 de junho de 2009

Um pouco de Tarsila

Última tarefa que fiz para a Pós Graduação:

  • Você fará a escolha de um artista, obra ou movimento das artes visuais. Elabore uma proposta educacional para discussão do tema com, no mínimo, 12 horas/aula.
Escolhi a Tarsila pq eu adoro as suas obras e além do mais é um dos principais nomes quando se trata de arte moderna no Brasil.

O movimento modernista se baseou na idéia de que as formas da arte academica e da vida cotidiana haviam se tornado ultrapassados e que se fazia necessário criar uma nova forma de arte que rompesse com as regras tradicionais.

No Brasil, o modernismo tem como marco simbólico a Semana de Arte Moderna de 1922. O evento, que foi organizado por artistas e intelectuais por ocasião do Centenário da Independência, declarou o rompimento com o tradicionalismo cultural na literatura (parnasianismo e simbolismo) e nas artes (arte acadêmica), defendendo um novo ponto de vista estético.

Mesmo sem ter participado da Semana de Arte Moderna de 1922, Tarsila tornou-se um símbolo do modernismo brasileiro. Suas obras são comumente classificadas em três períodos distintos:
  • Fase "pau-brasil"
    É também título de um manifesto publicado, em 1924, por Oswald de Andrade. Nessa fase, existem afinidades de estilo com a pintura de Fernand Léger, de quem Tarsila foi aluna. Porém não se trata de captar a vida moderna nem o fascínio da sociedade industrial, como seu antigo mestre. O que Tarsila pretendia era descobrir e resgatar raízes brasileiras quer pelo tema, quer pelo colorido.


  • Fase "Antropofágica"
    O título dessa fase também foi adotado por analogia com outro manifesto de Oswald de Andrade. A fase começa em 1928, com a famosa tela "Abaporu". Esses quadros se caracterizavam pelo exagero das formas anatômicas e por um certo toque surrealista, sem perder de vista a questão da identidade nacional.




  • Pintura social
    A terceira fase é posterior a uma viagem de Tarsila à União Soviética e a mostra preocupada em abordar temas sociais como o trabalho, a pobreza e a injustiça social. O engajamento político se traduz, também, por uma pintura mais direta, talvez estilisticamente menos moderna, mas sempre inventiva.

Um pouquinho sobre as obras nesse site:

http://www.tarsiladoamaral.com.br/index_frame.htm

Um comentário:

Dri Viaro disse...

Oi Jane, eu acho a arte dela demais!!
bjs otimo fds