quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Histórias de uma professora num dia de chuva...

Ontem a tarde estavamos nós trabalhando, num calor infernal, quando de repente cai uma chuva imensa... Dessas com pedras de gelo e muiiiiiiiiiiiiiiiiiitoo vento.
Acontece que eu trabalho numa comunidade localizada na zona rural e lá quando chove fica igual A CHÁCARA DO CHICO BOLACHA da poesia da Cecília Meireles.



Comecei a ficar preocupada...
A chuva começou 20 minutos antes da aula acabar... E o tempo passou... a tempestade que durou uns 30 minutos passou, e o ônibus que busca as crianças nao apareceu...
Depois de um tempo soubemos que cairam mts árvores e por isso o ônibus não chegou na escola... Mães começaram a ligar (mentira, só uma ligou)... Eu, já até estava pensando em pedir pra cantineira preparar alguma coisa, tive receio de ficar mt tempo ali.
Uma hora depois ficamos sabendo que o ônibus nao estava mt longe da escola, e resolvemos ir a pé ao encontro dele.
E lá fomos nós professoras e crianças amassando barro... Isso não me chateou nenhum pouco... E foi um dos poucos imprevistos que aconteceu nesses 6 anos que estou nessa escola.
No caminho eu me lembrei  de quando eu trabalhava com a 4ª série, e junto com a professora da 3ª série fomos fazer um pequenique num chalé que fica na região...
Na volta caiu uma chuva repentina e nos molhamos todos. É claro que as crianças adoraram!
E ontem foi a mesma coisa. Nós adultos fugindo das poças e eles fazendo a maior questão de pular nas poças d'água com barro.

Me lembrei também da música do falamansa que sempre levanta meu astral.

Oh Chuva

Você que tem medo de chuva

Você não é nem de papel
Muito menos feito de açúcar
Ou algo parecido com mel


Experimente tomar banho de chuva
E conhecer a energia do céu
A energia dessa água sagrada
Que nos abençoa da cabeça aos pés


Oh! chuva
Eu peço que caia devagar
Só molhe esse povo de alegria
Para nunca mais chorar.


Tem dias que a gente acorda com medo do escuro
Tem dias que a gente dorme sente-se inseguro
Então quando a gente acorda e acende a luz pra ver
Percebo que já tenho tudo e falta você

A cor do mar
O céu azul o vento lá sopra pro sul
E a cor da areia se confunde
Com seu corpo nu (2x)


Oh! chuva
Eu peço que caia devagar
Só molhe esse povo de alegria
Para nunca mais chorar.

2 comentários:

Bia Mendonça disse...

Quando eu era guria, tb amava dias de chuvas, era a maior perturbação! Agora não curto muito, não gosto de me molhar ou de ficar com o pé molhado! :P

bjs

Fernanda disse...

Sabe que tomar um bom banho de chuva de vez em quando eh uma delicia? Ainda bem que eles estavam bem e no final se divertiram!
Beijinhos!